03 abril 2013

Felipe Meres - Encontros de Emergência: Sujeito aos atos de escape


Felipe Meres apresenta Encontros de Emergência: Sujeito aos atos de escape, sua primeira individual no Rio de Janeiro. O artista investiga nessa mostra processos de formação de identidade e traça reflexões acerca da instabilidade constitutiva da categoria "indivíduo". Apresentando vídeos, áudios, projeção de slides e objetos fotográficos, o artista aponta para a subversão de práticas discursivas de reconhecimento social, que precedem e condicionam a formação do sujeito.

“Meus gestos já perderam qualquer força significativa e apenas reproduzo padrões que mal sei de onde vieram. Por favor, olha para mim". Assim enunciam, em um tom vacilante e inseguro, os participantes da vídeo-instalação Olha para mim. A repetição em voz alta de um texto complexo, com o qual os participantes não possuem grande familiaridade, gera gaguejos e risos, evidenciando tanto a falta de desenvoltura na atividade performada, quanto uma leve perturbação em relação ao material que estão ouvindo. 


O vídeo propõe uma investigação sobre processos de identificação e de produção de subjetividade engendrados por encontros afetivos. Neste sentido, são levantados questionamentos  acerca da linguagem como ferramenta discursiva que, através da repetição no tempo, e desdobramentos no espaço, demarca e produz sujeitos. O trabalho propõe testar os limites de compreensão e comunicação do corpo, examinando nas repetições, em suas falhas e pausas, possíveis escapes às formas de categorização e regulação do sujeito.

Nesta primeira individual, o artista aprofunda suas pesquisas sobre gênero e sexualidade, questionando a própria noção de "sujeito" como originária de uma prática discursiva reguladora. Nesses trabalhos, Felipe Meres mostra um olhar atento para contradições constitutivas de nossa experiência – costurando reflexões  acerca do papel das instituições na formação da subjetividade, com enfoque na maneira como operam a partir de encontros afetivos. Não aponta um caminho ideal, mas sinaliza a necessidade de se encontrar, ou melhor, inventar, saídas de emergência.




Felipe Meres tem 25 anos, nasceu em Petrópolis (RJ), vive e trabalha em São Paulo. Tem formação em Artes Plásticas pela FAAP e participou do Experiência, Itaú Cultural (2011) e da Universidade de Verão, Capacete (2012). Realizou diversas exposições coletivas em São Paulo, Reykjavík, Nova Iorque e Buenos Aires. Felipe integra o coletivo Nós-Moçada e em 2012 participou da residência SÍM em Reykjavík e da Residência Temporário, em São Paulo.