Catálogo - 1º Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online

 


A 1ªedição do Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online foi lançada com o objetivo divulgar a produção contemporânea de arte brasileira realizada em 2020, em um período marcado por medidas de restrição de contato social, isolamento e incertezas.


Durante quatro meses, compartilhamos no Instagram (@galeriaibeu) parte da obra e do pensamento dos 32 artistas participantes do Salão. Aqui no Blog, você também encontra diversas postagens relacionadas aos participantes. E para finalizar esta programação, publicamos um catálogo virtual da exposição contendo 73 páginas, imagens e textos dos selecionados, além de um comentário do escritor Jonatas Tosta Barbosa, nosso convidado para compartilhar um olhar crítico-poético sobre as obras e artistas desta edição.


O Catálogo já está disponível para leitura e download. Clique nas imagens desta postagem para acessar o arquivo ou copie e cole o seguinte endereço em seu navegador: 


https://pdfhost.io/v/46CyCzPIk_Galeria_Ibeu.pdf


O Ibeu agradece a todos os que colaboraram para a realização deste projeto.



Vicente Brasileiro | Artista participante do 1º Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online

 


Até onde a vista não alcança
Fotografias digitais em papel Hahnemühle 
50x37cm | (2020)


Vicente Brasileiro (@brasileirovicente) é artista visual, vive e trabalha em São Paulo. Atualmente cursa a graduação em Artes Visuais na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo

(ECA/USP). Destaque para participação nas seguintes exposições e eventos: Coletiva PhotoPatagonia 2019 - IV Festival de Fotografía Analógica y Procesos Alternativos, Complejo Cultural Santa Cruz, Río Gallegos (Argentina, 2019); Exposição coletiva Laboratório do Semestre 2019 (Espaço das Artes da ECA/USP, 2019); Coletiva Laboratório do Semestre 2018 (Espaço das Artes da ECA/USP, 2018); Coletiva Laboratório do Semestre 2017 (Espaço das Artes da ECA/USP, 2017); Exposição coletiva 1,001 Artists Project, SCOPE Art Fair, Miami (EUA, 2011).

O artista participa do Salão com uma série fotográfica.


Texto do artista sobre as obras:

Nesses tempos, o futuro está em suspenso. Não conseguimos vislumbrá-lo (se é que conseguíamos antes): ele se tornou opaco. Encerrados em nossas casas, temos a sensação de não conseguir ver o que está para além do ambiente interno. O que vem de fora, só vemos como reflexo e sombras. Experimentamos uma visão platônica do mundo, e ao mesmo tempo deixamos de experienciá-lo por completo. 







Thomaz Meanda | Artista participante do 1º Salão de Artes Visuais Galeria Ibeu Online


Morte residual
Tríptico - Lápis dermatográfico s/ papel brilhante
60x146cm (2020)


Thomaz G. Meanda (@thomazgmeanda), paulista, vive atualmente na capital de São Paulo, atua nas áreas de artes plásticas trabalhando principalmente com a linguagem do desenho. A maior parte de sua produção se concentra no tema de questões existenciais da natureza humana. 

Sua primeira tela datada em 2000, foi resultado das primeiras aulas de pintura num curso livre com Alfonso Ballestero São Paulo, e, desde então estudou com alguns renomados professores como Dudi Maia Rosa, Magnolia Costa, Hoje em dia utiliza muitas técnicas diferentes dependendo do assunto que está tratando.

O artista participa do Salão com uma série de desenhos.


Texto do artista sobre as obras:

Medo, vazio, morte, vida e saudade são os temas explorados nessa série de cinco trabalhos, cada um sendo um tríptico. Objetos cotidianos funcionam como uma poesia visual. Existe um balanço, uma cadência um ritmo quando se passa de uma obra para a outra. Mais do que se finalizar em uma explicação ou algo do gênero, a obra abre portas para novas poéticas.

Não gosto de finalizar uma obra ou uma série em explicações, gosto do caráter delas de deixar uma porta aberta para novas interpretações, para novas poesias. 

Posso dizer que trabalho com aquilo que me toca, aquilo que me chama atenção em um ímpeto existencial. Seja uma hora pessoas a beira da sociedade e como elas são desumanizadas e tiradas a voz. Isso me machuca, isso me toca. Me toca também os problemas psicológicos que todos passamos, pânico, ansiedade, uma frustração constante em como o mundo é construído e como ele funciona. E como todo esse mundo difere dos nossos anseios mais puros. Acho que posso dizer que trabalho com questões existenciais. Pessoais e coletivas. Espero sempre de uma obra que ela me ensine algo novo, entro na abertura da novidade e me deixo levar para enfrentar o que for preciso e sair do outro lado mais enriquecido como humano. Espero que as obras passem esse processo e que possam ajudar outros a verem a si mesmos também. 

Trabalho com poesias visuais, com o coração no realismo fantástico.


Medo residual
Tríptico - Lápis dermatográfico s/ papel brilhante
120x168cm (2020)



Saudade residual
Tríptico - Lápis dermatográfico s/ papel brilhante
61x73cm (2020)


Vazio residual
Tríptico - Lápis dermatográfico s/ papel brilhante
60x125cm (2020)



Vida residual
Tríptico - Lápis dermatográfico s/ papel brilhante
60x147cm (2020)